Carmina Cantabrigiensia: tradução, anotação e estudo

Autor
Rafael Rocca dos Santos
Orientador
Modalidade
Bolsa CNPq
Resumo do trabalho

Conhecidos como Carmina Cantabrigiensia (“Canções de Cambridge”), a coleção que foi objeto deste trabalho é parte de um manuscrito classificado na biblioteca da universidade de Cambridge sob a rubrica CUL Gg.5.35 (C). Ela contém uma recolha de textos religiosos, hinos, obras do Baixo Império Romano (Prudêncio, Próspero de Aquitânia), textos medievais de filosofia (por exemplo, Consolatio Philosophiae de Boécio), textos líricos, trechos de lírica e épica latinas (por exemplo, Tebaida de Estácio), entre outros, recolhidos possivelmente na região alemã do rio Reno. Os Carmina Cantabrigiensia perfazem uma coleção que versa sobre temas variados (por exemplo, canções sacras, satíricas e eróticas). Trata-se de uma coletânea relevante para ser traduzida por conter a primeira versão escrita de certas canções e fablieux medievais famosos (por exemplo, “De puerō niueō” e “Iam, dulcis amicae, venitō”) bem como por conter o primeiro registro de alemão medieval. Atualmente, há somente duas traduções integrais da obra, feitas por Jan M. Ziolkowki para o inglês e por Francesco Lo Monaco para o italiano.

O trabalho nesta IC consistiu no estudo dos Carmina Cantabrigiensia e na sua tradução parcial para o português. A pesquisa teve de ser interrompida, nas vias oficiais, em razão da colação de grau e consequente desligamento do aluno da Graduação, mas prossegue de maneira informal e extraoficial.

Situação
Concluído
Conclusão
março/2017