ÉDIPO NA TRAMA DA GUERRA DO LÍBANO

O Grupo de Estudos de Adaptação e Tradução (GREAT/USP-CNPq) acaba de publicar o livro Adaptação – Pesquisas do GREAT, com seis capítulos que exemplificam as pesquisas desenvolvidas pelos seus membros. Abaixo, excertos do meu artigo. Veja no final do informe como baixar o livro.

                      “INCÊNDIOS”, UMA VOZ ATUAL DOS SÉCULOS ANTIGOS.

A plateia exclama “Oh!” e, inesperadamente, acontece em pleno século XXI o que a poética da Antiguidade denominava “anagnorisis” (ναγνώρισις), ou seja, o ansiado episódio do reconhecimento da verdadeira identidade de um personagem. Foi o que testemunhei na apresentação de Incêndios em 30 de abril de 2016, no Teatro do Sesc Santos, com ocupação plena dos quase 800 assentos. A peça do franco-libanês Wajdi Mouawad, encenada por Aderbal Freire-Filho, entrava na reta final de uma excelente carreira de três anos nos palcos brasileiros, em que atraiu mais de 60 mil espectadores. O texto francês (Incendies), contudo, é de 2003, quando estreou no Canadá, portanto, não é difícil a conta que revela a defasagem de uma década até que a peça chegasse ao Brasil, quando a tradução de Angela Leite Lopes também foi publicada em livro.

                                                                      (...)

Você está entendendo direito: ele torturou sua mãe e sua mãe, sim, foi torturada pelo filho e o filho violentou sua mãe. O filho é o pai de seu irmão, de sua irmã. Está ouvindo minha voz, Sarwane? Parece a voz dos séculos antigos. Mas não, Sarwane, é de hoje que data minha voz.

anagnorisis que decorre dessa revelação acontece não apenas no palco, entre os personagens, mas também no auditório, entre dramaturgo e espectador, porque é como se Mouawad dissesse: “Você me ouve? Esse mito vem da Grécia antiga, mas é uma tragédia que se repete para sempre. Édipo encapsulado na trama da guerra do Líbano”.

Baixe o livro aqui.